Archive for janeiro \16\UTC 2011

24 horas.

janeiro 16, 2011

Vício é lugar de moradia, é o tipo de coisa que a gente desiste pelos outros e não pela falta do que fazer. Fale o quanto quiser dos vícios, da necessidade, da dependência, do péssimo hábito, mas todo vício é companhia. Vício completa lacuna que precisamos.

A pepsi me fez companhia aquela noite. Troquei as amizades da noite por ela. Esperei o quanto pude, suportei até onde a ansiedade deixou. A chuva não combinava com a ocasião, a multidão tornava pior o que eu já não conseguia mais encarar.

O Gessinger abriu o show com a música “Até o fim”, que ironicamente diz: “eu não vim até aqui pra desistir agora”. Mas eu me conheço, eu me traio, sou denuncia antecipada, literatura fácil que a gente nem precisa conhecer. Estraguei o que era sonho, ou estragaram por mim – ainda não sei.

Fui embora muito antes do fim, assim como largo tudo que acredito, assim como desisto de tudo que levo nos bolsos.

Já do lado de fora, caminhando debaixo de chuva, ouvi tocar “um dia especial”. O resto de coração que eu tinha deixei no meio fio, desapareci ao me publicar. Parei, respirei e tomei o último gole.

Antes de duvidar de qualquer vício que eu seja ou tenha; saiba que são meus vícios e estão lá quando preciso…. você não.

A fé que você deposita em você e só.

janeiro 3, 2011

Se Deus existe ou não, não faz tanta diferença para mim. O que faz a diferença é a fé. A fé e o respeito pela crença alheia. Se tudo isso que expus nas linhas que antecederam esta conclusão foi obra divina ou não, não faz diferença. O que faz diferença é que sempre assumi a responsabilidade de lutar por meus objetivos de maneira honesta. A fé sempre esteve presente na minha vida, independente do Deus que eu tenha cultuado. Provavelmente o meu não é o mesmo que o seu e provavelmente o seu não é o mesmo de outros milhares de seres humanos. Cada um tem sua forma de enxergar Deus ainda que existam guias, sejam eles, padres, pastores, pais de santo ou qualquer outro que se coloque na terra como representante legítimo de uma divindade superior. Volto a bater na tecla do respeito pela opinião e pelo questionamento alheio. Não existem verdades absolutas, ninguém prova nada, então não venham com suas certezas como se fossem lanças dispostas a atravessar nossas cabeças. Acredite no que quiser e deixe que os outros acreditem ou não. Tenho somente que assumir a responsabilidade por nossos atos é o melhor a fazer, pois fica muito confortável sempre dizer que foi DEUS quem quis isso ou aquilo, como se não fossemos nós os verdadeiros agentes de tudo o que acontece em nossas vidas.
Tudo que conquistei até hoje foi com muito pensamento positivo, boa vontade, força e fé. Fé nos meus conhecimentos, fé nos meus guias, fé nos meus símbolos e isso não quer dizer que esse seja o único caminho. Esse foi o caminho que eu escolhi.

Você deve estar se perguntando o que tudo isso tem a ver com o começo dessa história toda. Rishus.
Simples…

A vida é uma sucessão de escolhas. Escolher viver as oportunidades ou não é você quem decide. Se há um futuro ele esta sendo construído agora, com esses passos que estas dando. Ao sair do meu quarto as três da manhã para encontrar um cara que admiro e convidá-lo para fazer parte das musicas que estou criando com meus companheiros foi uma escolha pelo respeito e pela consideração que fiz questão de mostrar que tenho por ele. Ao explanar sobre política e poesia, quis deixar claro que foram os caminhos que se abriram a minha volta e que decidi entender ainda que isso de certa maneira tenha me afastado dos holofotes “principais” que sempre me levaram ao grande público. Ao manter posições de acordo com o estilo de vida que me atraiu desde sempre, escolhi confrontar algumas pessoas que também estão fazendo suas escolhas.